2186

Câmara Municipal de Canhoba

Pular para o conteúdo

Visão Geral

Visão Geral

Bandeira
Brasão
  • Aniversário: 23 de janeiro
  • Fundação: 23 de janeiro de 1937
  • Padroeiro (a):
  • Gentílio:
  • Cep:
  • População: 4000 (estimativa)
  • Presidente (a): (PSD)
    2017 - 2020

Geografia

Seu território encontra-se dentro do polígono das secas, com temperaturas médias anuais de 26°C e precipitação média de chuvas de 800 mm/ano, com maior precipitação de março a agosto (outono-inverno). Em seu relevo predominam colinas e tabuleiros. A vegetação do município varia da Capoeira, Caatinga, campos limpos e Sujos. Canhoba está totalmente inserido na bacia do rio São Francisco, outros rios importantes da região são o rio Salgado e seus afluentes rio do Poção e o riacho Cancelo.

População

O município se estende por 170,3 km² e contava com 3 956 habitantes no último censo. A densidade demográfica é de 23,2 habitantes por km² no território do município.

Clima

Seu território encontra-se dentro do polígono das secas, com temperatura médias anuais de 26° C e precipitação média de chuvas de 800 mm/ano, com maior precipitação de março a agosto (outono-inverno).

História

Denominava-se Curral de Barro, em decorrência dos muros construídos de argila com a finalidade de reter as águas na lagoa de Canhoba, durante o cultivo de arroz. As primeiras penetrações tiveram início no fim do século XVII para princípio do século XVIII, pelas famílias Torres e Resende.

No século XIX no ano de 1894 o povoado já possuía uma escola primária e feira livre realizada aos domingos. Depois de construída a sua primeira igreja, sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição, despontaram várias opiniões com o objetivo de trocar o nome do povoado,ficando aceito pela maioria dos habitantes, a denominação de Canhoba cuja origem está ligada aos terrenos férteis existentes, denominado Baixa do Canhoba. Com território desmembrado dos Municípios de Aquidabã, Gararu e Propriá foi transformado no Município de Canhoba através de Decreto-Lei nº 17 de 23 de dezembro de 1937, tendo como sede o povoado Canhoba.Canhoba: terra de Eronildes de Carvalho.
O município já foi chamado Curral do Barro e teve uma forte economia algodoeira "Por doação da coroa, /Manoel Rocha é o seu fundador, /Emancipada por Eronildes, /O nosso governador". Este é um trecho do hino da emancipação do município de Canhoba,que fica a 124 quilômetros de Aracaju, em 1954 o Distrito de Nossa Senhora de Lourdes é anexado ao município de Canhoba, sendo novamente desmembrado em 1963 quando o distrito de Nossa Senhora de Lourdes é elevado a município independente. Canhoba era um centro comercial que atendia a toda região circunvizinha, inclusive Nossa Sra de Lourdes antiga Antas, que era município até Escurial. Tinha um comércio forte, uma fábrica de beneficiar algodão. A feira era forte e muito concorrida, começava cedinho e ia até 14 ou 15:00 hs.
As terras canhobenses, que se situam à margem direita do Rio São Francisco, faziam parte da Capitania de Todos os Santos, que iam do Velho Chico até Itapoã, próximo a São Salvador.Com a morte de Cristóvão de Barros, parte dessas terras passam a pertencer a seu filho, Antônio Cardoso de Barros. Os primeiros exploradores chegaram no final do século XVIII à Lagoa do Jaguaripe, hoje Lagoa de Canhoba, usando o Rio São Francisco como estrada natural.Segundo pesquisadores, Canhoba quer dizer em língua portuguesa "folhas escondidas", uma planta medicinal usada largamente pelos indígenas. Uma espécie de planta com fama miraculosa ( milagrosa).A palavra "Canhoba" é a junção de duas outras. Segundo o tupinólogo, Theodoro Sampaio, em seu Dicionário da Língua Tupi, "Can" quer dizer cânhamo, e "oba" é o senhor da terra .CATAIOBA E CURRAL.

Os primeiros habitantes de Canhoba foram os índios da tribo Cataioba. Com a chegada dos portugueses, os índios fugiram, mas no município ficaram suas marcas: os nomes de locais como Caiçara e Caraíbas. Sendo o maior registro da existência da Baixa do Canhoba, que deu origem ao nome do lugar.Manoel José da Rocha Torres, não resta dúvida, foi o primeiro posseiro do hoje município.Por carta sesmarias o Capitão-mor Cristovão de Barros foi o primeiro dono destas terras no século XVI. As suas terras foram adquiridas através de uma Carta Régia, desde o São Francisco até o interior, na altura do Bom Nome. Ele é um descendente de portugueses. Seu filho, Antonio da Rocha Torres, também foi possuidor de terras. Eles fundaram a povoação "Curral de Barro", por causa dos valados que os posseiros construíram para represar as águas das lagoas, plantando nas terras alagadas o arroz. Curral era um nome comum, pois no alto sertão existia o Curral do Buraco, (hoje Porto da Folha) e o Curral de Pedras (hoje Gararu). Construída a primeira igreja sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição, surgiram opiniões no sentido de ser mudado o nome do povoado. Alguns sugeriram a denominação Jaguaripe, nome do rio temporário que passa nas proximidades. Mas essa ideia não prevaleceu.

Formação Administrativa

Elevado à categoria de município com a denominação de Canhoba, pelo decreto-lei estadual nº 17, de 23-01-1937, desmembrado de Própria, Aquidabã e Garau. Sede no atual distrito de Canhoba ex-povaodo. Constituído do distrito sede. Instalado em 23-12-1937.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído do distrito sede.
Pela lei estadual nº 554, de 06-02-1954, é criado o distrito de Nossa Senhora de Lourdes ex-povoado e anexado ao município de Canhoba.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 2 distritos: Canhoba e Nossa Senhora de Lourdes.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.
Pela lei estadual nº 103-A, de 13-05-1963, desmembra do município de Canhoba o distrito de Nossa Senhora de Lourdes. Elevado à categoria de município.
Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído do distrito sede.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Letra do Hino

Hino da Emancipação de Canhoba

Por doação da coroa
Manoel Rocha é o seu fundador
Emancipada por Eronildes
O nosso Governador.

Salve terra querida
Habitada pelo Cataioba
Berço de filhos ilustres
Canhoba,Canhoba.

Torrão encavado entre Serras
O Cruzeiro na praça a brilhar
A sua emancipação
Orgulhosos queremos festejar.

Salve terra querida
Habitada pelo Cataioba
Berço de filhos ilustres
Canhoba,Canhoba.




Nesta querida Canhoba
Banhada pelo Jaguaripe
Escreveu-se a mais bela página
Da história do meu Sergipe.

Salve terra querida
Habitada pelo Cataioba
Berço de filhos ilustres
Canhoba,Canhoba.

Bandeira desfraudada
A paz sempre a invocar
Canhoba,querida Canhoba
Este hino é pra lhe exaltar.

Parceiros

Empresa Sergipana de Tecnologia da Informação